Diet, light e zero: você sabe a diferença?

Diet, light e zero: você sabe a diferença?

A partir da década de 1990, as gôndolas dos supermercados passaram a exibir cada vez mais alimentos modificados em relação à composição de seus nutrientes, como carboidratos, proteínas, gorduras, sódio e outros. Nessa onda, surgiram os produtos diet, light e zero, e por causa dessa variedade é comum que os consumidores tenham dúvidas na hora de escolher qual é o produto mais adequado às suas necessidades. Mas, afinal, quais as diferenças entre eles?
Diet, light e zero: você sabe a diferença?

De acordo com a engenheira de alimentos Filomena Benfatti, um produto diet apresenta modificações especiais para se adequar a diferentes dietas ou necessidades metabólicas, como diabetes e hipertensão. “São os produtos que se destinam a pessoas com algum tipo de doença que as obriga a controlar ou mesmo suprimir a ingestão de algum nutriente normalmente presente na dieta. Tem que estar declarado e ser facilmente legível a que tipo de dieta o alimento se refere e qual a quantidade desse elemento em sua composição. Pode ser diet em açúcares, sódio, gordura, etc”, explica.

Ainda de acordo com Filomena, o alimento diet pode não ser o mais indicado para perda de peso, uma vez que pode ser mais calórico que os produtos convencionais. “É importante neste caso ver quantas calorias a porção daquele alimento vai proporcionar e compará-la com o alimento convencional”, pontua.

Já o light, em relação às versões convencionais, possui redução mínima de 25% das calorias ou de algum outro nutriente como gordura, açúcares ou sódio. “Seu consumo é indicado para pessoas que precisam reduzir o teor de algum desses elementos na alimentação. Para quem tem como foco o emagrecimento, é importante atentar-se aos rótulos, pois a redução calórica pode ser muito pequena em alguns alimentos”, afirma a engenheira. Um bom exemplo são alguns pães light que, apesar de apresentarem um teor reduzido de gorduras, são quase tão calóricos quanto os tradicionais.

No caso dos rótulos com descrição “zero”, indica que o alimento tem restrição ou isenção de algum nutriente em comparação com a versão tradicional. Para existir a informação de, por exemplo, “zero açúcar”, o produto pode apresentar no máximo 0,5 gramas de açúcar em 100 gramas do alimento pronto para o consumo. “Os produtos sem adição de açúcar (sacarose) podem conter açúcares normalmente presentes nos outros ingredientes como a lactose (presente no leite), a frutose e outros mono e dissacarídeos presentes naturalmente nos ingredientes utilizados na fabricação. Para cada nutriente que se declara zero existe o limite máximo legal definido pela Anvisa e Ministério da Saúde”, diz a profissional.

mulher-alimentos-light-diet01

Será mesmo que você precisa consumir alimentos diet, light ou zero?

Para Filomena, no caso de portadores de deficiências metabólicas, como diabetes, hipertensão e intolerâncias alimentares, é fundamental o acompanhamento de um médico ou nutricionista. “Ainda cabe ressaltar que mais importante do que conhecer as principais diferenças entre os produtos é saber consumi-los, fazendo com que atendam às nossas necessidades. Na ditadura do glúten free, por exemplo, observe se essa restrição é realmente útil para seu organismo. Faça o mesmo com os produtos diet, light e zero”, alerta.

Se a pessoas não é diabética ou não precisa diminuir o teor de algum nutriente específico, é melhor ingerir alimentos tradicionais. Porém, se o objetivo for priorizar uma alimentação mais saudável, uma opção pode ser os produtos menos calóricos, que possuem todos os nutrientes da versão original, mas em proporções mais equilibradas.

Por Tamiris Monteiro, Publicado no Eu na Correria 

Compartilhe!Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someone

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *